Colômbia admite que há corrupção na cúpula militar

Narcotraficantes e rebeldes marxistas se infiltraram nos altos escalões militares da Colômbia, prejudicando o combate às drogas e à guerrilha, disse na segunda-feira o ministro da Defesa, Juan Manuel Santos. A principal guerrilha do país e o maior cartel de cocaína já subornaram oficiais "em um alto nível" para receber informações, segundo o ministro. "Infelizmente, a infiltração nos impediu de capturar alguns dos peixes grandes que vínhamos investigando", disse Santos, cujo país é o maior produtor mundial de cocaína. Alguns militares já foram detidos, e outras prisões são aguardadas, segundo Santos. Neste mês, o Exército descobriu informações militares sigilosas em arquivos informatizados de guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) mortos em combate. Autoridades dizem que essas informações só poderiam ter partido de espiões instalados na cúpula militar. O caso também implicou Diego Montoya, chefe do cartel Norte del Valle e presente da lista dos "dez mais procurados" do FBI (polícia federal dos EUA). Montoya é acusado de exportar centenas de toneladas de cocaína para os Estados Unidos. Investigadores dizem que ele recrutou oficiais do Exército para lhe protegerem e lhe ajudarem a planejar a fuga do seu irmão, Eugenio, detido em uma penitenciária de segurança máxima desde o começo do ano. Escândalos envolvendo o combate ao tráfico são comuns na Colômbia. No ano passado, dez polícias antinarcóticos foram mortos por soldados colombianos a soldo de traficantes perto da localidade de Jamundí (oeste), segundo o Ministério Público. O prestígio internacional do presidente Álvaro Uribe foi abalado recentemente por investigações mostrando que alguns dos seus principais aliados no Congresso recebiam dinheiro de paramilitares de ultradireita, grupos formados originalmente por latifundiários para combater as guerrilhas, mas atualmente também envolvidos com o narcotráfico -- a exemplo dos próprios grupos guerrilheiros. Uribe continua popular na Colômbia por ter reduzido a criminalidade urbana e agido com linha-dura contra as guerrilhas, além de promover o crescimento econômico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.