Colômbia anuncia morte de ideóloga das Farc

Uma influente guerrilheira das Farc que participara de uma frustrada negociação de paz com o governo e era acusada de vários ataques contra as Forças Armadas morreu num combate que desarticulou uma importante estrutura rebelde, disse o Exército colombiano na quarta-feira. A morte de Mariana Paz, ideóloga das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), ocorreu na sexta-feira nos arredores da localidade de Nazareth, no departamento de Cundinamarca, num incidente que levou à morte de outros 10 rebeldes e à prisão de 11. O comandante do Exército, general Oscar González, disse que Paz, que participou da frustrada negociação do governo com o ex-presidente Andrés Patrana, morreu junto com José de Jesús Guzmán, guerrilheiro acusado de ordenar explosões em empresas de Bogotá, como forma de extorsão. O general disse que o corpo da guerrilheira só foi identificado na quarta-feira, apesar de ter sido encontrado no mesmo dia em que começaram os confrontos, numa região montanhosa conhecida como Páramo de Sumapaz, a 4.000 metros de altitude. "A morte em combate de Mariana Paz se produziu durante os combates registrados na sexta-feira, 27 de fevereiro, na localidade Cuchilla Las Animas, em Cundinamarca, onde foi desarticulada a quadrilha Antonio Nariño das Farc", disse nota do Exército. Paz entrou para as Farc em 1989. Posteriormente, fez parte das milícias em Bogotá, pertenceu à quadrilha Ricardo Franco e à Frente 31 da organização rebelde. Nas negociações de paz ocorridas entre 1999 e 2002 na região do Caguán, ela participou do comitê temático do grupo rebelde e dirigiu as emissoras da guerrilha. Devido ao seu treinamento na organização popular, em explosivos e comunicações, teve participação ativa no ataque cometido em março de 1998 numa região de selva do departamento do Caquetá, onde foram assassinados 80 militares e sequestrados outros 43, segundo González. Paz também era considerada muito próxima a Jorge Briceño, chefe militar das Farc. (Reportagem de Luis Jaime Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.