Colômbia anuncia morte de outro dirigente das Farc

Ivan Ríos teria sido assassinado por seus companheiros por conta da recompensa oferecida pelo governo

Agências internacionais,

07 de março de 2008 | 14h34

A Colômbia anunciou nesta sexta-feira, 7, que Iván Ríos, um dos sete secretários da liderança das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), foi morto no centro oeste da Colômbia. Ríos teria sido assassinado por membros das Farc que queriam a recompensa oferecida pelo governo colombiano, segundo uma fonte do Ministério da Defesa.   Veja também: Equador desmente libertação iminente de Ingrid Betancourt Ataque às Farc fracassaria se Equador fosse avisado, diz Uribe Equador anuncia prisão de 5 membros das Farc Dê sua opinião sobre o conflito   Por dentro das Farc  Entenda a crise   Histórico dos conflitos armados na região   'É possível que as Farc se desarticulem'     Anteriormente, havia sido divulgado que Ríos morreu em uma operação do Exército. Segundo o jornal El Tiempo, os confrontos aconteceram há dois dias em uma operação na zona rual de Aguadas, no Estado de Caldas, a 400 quilômetros de Bogotá e embora as autoridades ainda não tenham o corpo de Ríos, cujo verdadeiro nome é Manuel Jesús Muñoz Ortíz, a informação teria sido confirmada por desertores da guerrilha.   Esta é a segunda morte de líder das Farc na semana. No último sábado, o Exército colombiano matou em território equatoriano Raúl Reyes, considerado o número dois da facção.   Ríos entrou para a guerrilha em 2004 e era um dos representantes da ala política das Farc. Ele era economista formado pela Universidade de Antioquia e considerado um dos chefes com mais proteção do grupo, por conta de sua formação militar e política.   A morte de Ríos é o mais recente êxito do governo do presidente Álvaro Uribe, que com o apoio dos EUA lidera uma ofensiva contra as Farc. O guerrilheiro morto participou da equipe negociadora das Farc nas fracassadas negociações de paz com o governo do ex-presidente Andrés Pastrana.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcIvan Ríos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.