Colômbia aumentará presença militar em divisa com o Equador

Cerca de 27 mil soldados colombianos serão colocados ao longo dos 640 quilômetros de fronteira

EFE

25 de janeiro de 2009 | 03h48

Cerca de 27.000 militares serão os encarregados de custodiar a fronteira com o Equador dentro de um plano do Governo da Colômbia de aumentar a importância da presença nessa área limítrofe, disse neste domingo o ministro da Defesa, Juan Manuel Santos. O ministro confirmou que os militares colombianos serão desdobrados nos 640 quilômetros de fronteira com o Equador e que à zona chegaram 26 embarcações leves de combate, nove naves médias e ainda será enviado um avião-tanque. "São 27.000 homens, sete elementos de combate fluvial e um avião-tanque nos próximos dias para custodiar o rio San Miguel. A Colômbia todos os dias faz esforços para que esta fronteira seja cada vez mais segura", disse Santos. O ministro da Defesa acrescentou que para a Colômbia é fundamental restabelecer as relações com o Equador para que os comandantes militares dos dois países possam ter "uma comunicação fluente, qualquer tipo de comunicação se transforma em uma ferramenta essencial na luta contra a delinquência". Santos visitou o povoado fronteiriço de San Miguel (sul), no selvático departamento de Putumayo, para constatar as condições de segurança da região em companhia da embaixadora da Colômbia nos EUA, Carolina Barco; o comandante das Forças Militares, general Freddy Padilla; e outros membros da cúpula militar.

Tudo o que sabemos sobre:
COLÔMBIAEQUADOR

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.