Colômbia captura militar venezuelano com munições para as Farc

As autoridades colombianas relataram acaptura de pessoas de nacionalidade venezuelana, uma das quaisse identificou como militar da Venezuela, que teriam em seupoder cerca de 40.000 cartuchos de munição para armasdestinadas às guerrilhas das Farc. Os supostos venezuelanos foram presos junto com doiscolombianos no município de Puerto Nariño, que faz divisa comos departamentos de Guainía e Vichada, nas cercanias dafronteira da Colômbia com a Venezuela, revelou na noite desexta-feira o fiscal Mario Iguarán. "Foram capturadas em flagrante quatro pessoas com 40.000cartuchos para fuzil AK-47. Duas delas se identificaram comovenezuelanas", disse Iguarán a jornalistas. As munições teriamcomo destino as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia(Farc). O suposto militar venezuelano se identificou como ManuelAgudo Escalona e disse ser segundo sargento da Guarda Nacionalde seu país. Outro capturado era Germán Castañeda, que possuíadocumentos de ambos os países. "Agora o procedimento é contatar as autoridadesvenezuelanas para identificar estas pessoas que (...) estavam,segundo a informações que foram adiantadas pela fiscalização epela central de inteligência do Exército, vendendo armas emunições a uma frente" das Farc, disse Iguarán. Segundo o fiscal, as detenções foram feitas com base nainformação fornecida por um segurança do chefe das Farc JorgeBriceño, conhecido como "Mono Jojoy". O segurança foirecentemente capturado. As relações entre Colômbia e Venezuela se deterioraram apósa descoberta de computadores do líder das Farc Raúl Reyes, quemorreu após uma incursão das forças militares colombianas emterritório equatoriano. O incidente levou a uma crise entre ostrês países. As autoridades colombianas revelaram documentos encontradosnos computadores que mostram supostos vínculos dos governos deCaracas e Quito com as Farc, uma acusação rechaçada pelospresidentes Hugo Chávez, da Venezuela, e Rafael Correa, doEquador. (Reportagem de Nelson Bocanegra)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.