Colômbia convoca comissão consultiva para discutir Venezuela

O governo da Colômbia convocou naquinta-feira sua Comissão Consultiva de Relações Exteriorespara avaliar a crise diplomática com a Venezuela e tomarpossíveis decisões, afirmou o chanceler Fernando Araújo. A crise estourou depois que o presidente Alvaro Uribesuspendeu a intermediação do venezuelano Hugo Chávez com asForças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), emnegociações que tentavam obter a libertação de 49 reféns, entreeles a ex-presidenciável Ingrid Betancourt. A comissão é um corpo consultivo da Presidência para lidarcom a política internacional, e é composta pelosex-presidentes, por seis congressistas e dois nomeados pelopresidente. "Temos uma agenda aberta, certamente serão analisadoscenários, possibilidades serão avaliadas e conselhos serãoouvidos", disse Araújo. A reunião entre o presidente e a comissão acontecerá quandojá forem conhecidos os resultados do referendo que a Venezuelarealiza no domingo para aprovar ou não as reformasconstitucionais propostas por Chávez. Se as reformas foremaceitas, o presidente venezuelano poderá se reelegerindefinidamente. A convocação da comissão acontece um dia depois de Chávezter anunciado que não manterá nenhum tipo de relação com ogoverno colombiano enquanto Uribe for presidente. O venezuelano já tinha chamado Uribe de mentiroso e de ser"um triste peão do império" dos Estados Unidos. Uribe só respondeu a Chávez no domingo, acusando-o delegitimar o terrorismo da guerrilha, de incendiar o continentecom suas declarações e de liderar um projeto expansionistafinanciado com o dinheiro das exportações de petróleo. Mas,depois daquelas declarações, apesar da violência da retórica deChávez, Uribe vem se mantendo cauteloso. As relações comerciais entre os dois países, que mantêmdinâmicas atividades bilaterais e compartilham uma fronteiraterrestre de 2.219 km, ainda não tinham sofrido asconsequências da crise diplomática. (Reportagem de Luis Jaime Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.