Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Colômbia dará recompensa a rebelde que matou líder das Farc

Rojas se entregou ao Exército levando como prova da morte Ivan Ríos a mão direita do guerrilheiro

AP,

14 de março de 2008 | 13h31

O ministro da Defesa colombiana, Juan Manuel Santos, disse nesta sexta-feira, 14, que o governo pagará a recompensa ao ex-guerrilheiro que matou Ivan Ríos, um dos líderes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). A recompensa de US$ 2,7 milhões será dividida entre o ex-rebelde e outros três informantes, segundo Santos, que não divulgou a data em que o dinheiro será entregue.   Veja também: Farc chamam anúncio da morte de Ríos de 'dramalhão sórdido' 'Mono Jojoy será o próximo', diz assassino de líder das Farc Membro das Farc entrega mão de líder como prova de morte Por dentro das Farc    Pablo Montoya, o 'Rojas', era o chefe de segurança de Manuel Jesús Muñoz, conhecido como Iván Ríos, um dos sete integrantes da cúpula das Farc. Segundo a versão oficial, Rojas se entregou ao exército no dia 6 de março para provar que havia matado seu chefe, e entregou como prova a mão direita de Ríos, além de documentos e um computador. Rojas está em uma unidade militar.   "Estamos pagando pela informação e colaboração que este indivíduo (Rojas) nos deu e isto está dentro das regras legais", disse Santos. Desde a morte de Ríos, juristas debatiam se era procedente ou não o pagamento ao ex-guerrilheiro da recompensa. O próprio presidente Álvaro Uribe disse no começo da semana que o tema deveria ser analisado cuidadosamente.   Rojas disse que esteve durante 16 anos dentro dos acampamentos das Farc e alega ter matado Ríos em defesa própria. Segundo ele,  seu acampamento estava cercado pelo Exército e só com a morte do líder cessariam as pressões militares.

Tudo o que sabemos sobre:
Farc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.