Colômbia decreta alerta vermelho após nova erupção de vulcão

Região de Nariño, no sudoeste do país, espera mais atividades do Galeras; não há relatos de vítimas ou danos

Efe,

20 de fevereiro de 2009 | 15h49

Uma nova erupção do vulcão Galeras, no sudoeste da Colômbia, obrigou nesta sexta-feira, 20, as autoridades a retornar ao alerta vermelho na área de influência, informaram fontes do Observatório Vulcanológico e Sismológico de Pasto, a cidade mais próxima à cúpula vulcânica. Apesar do fenômeno, não há registros de pessoas feridas ou de danos materiais, mesmo com a queda de rochas e cinzas, assinalou a subdiretora de ameaças do Instituto de Geologia e Mineração (Ingeominas), Marta Calvache.  O fenômeno produziu um ruído seguido de um terremoto, que, segundo os sismógrafos do centro científico, "está associado a um novo episódio eruptivo explosivo". Calvache acrescentou que o fenômeno "foi acompanhado por ondas de choque que geraram efeitos vibratórios e audíveis em vários povoados localizados na zona de influência." O governador de Nariño, Antonio Navarro, disse a jornalistas que pedia à população "que não confie e acate às recomendações" das autoridades. Acrescentou que houve duas explosões menores e advertiu que podem ser registradas outras maiores, e por isso pediu às pessoas que "não confiem demais" e insistiu em que devem ir para os abrigos. Sete abrigos estão dispostos em zonas seguras que contam com a cooperação da Polícia e da Cruz Vermelha. A nova erupção aconteceu por volta das 7h10 (9h10 de Brasília) e foi sentido nas localidades de Florida, Sandoná, Consacá, Nariño e nas edificações altas de Pasto, capital do departamento de Nariño, na fronteira com o Equador. Em 14 de fevereiro, também foi aumentado o alerta vermelho sobre a mesma cúpula andina, situada a cerca de 700 quilômetros de Bogotá, e com uma altitude de 4,276 mil metros acima do nível do mar, mas essa situação diminuiu para laranja dois dias depois, quando acalmou a atividade.

Tudo o que sabemos sobre:
Colômbiavulcão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.