Colômbia denuncia plano das Farc para resgatar rebeldes presos

Autoridades da Colômbia detectaram nestaquinta-feira a existência de um plano das Farc para atacar umaprisão e libertar centenas de rebeldes presos, em represália aoresgate da ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt e deoutros 14 reféns. Segundo uma fonte do Instituto Nacional Penitenciário eCarcerário (Inpec), um comando das Forças ArmadasRevolucionárias da Colômbia (Farc) estaria preparando um ataquecontra a prisão de alta segurança de Doña Juana, nos arredoresdo povoado La Dorada, no Departamento de Caldas, 120quilômetros a noroeste de Bogotá. "A informação que recebemos é que um comando planejavaatacar a prisão desde o exterior, e do interior receberia oapoio dos internos para conseguir uma fuga em massa", disse afonte. A prisão Doña Juana abriga cerca de 2.000 presos, sendomais de 500 deles ligados às Farc. Agentes estão revirando apenitenciária em busca de armas e explosivos. Soldados doExército e da polícia, com apoio de helicópteros, reforçaram avigilância no entorno da prisão, segundo o ministro doInterior, Fabio Valencia. "Há uma existência de armas dentro da prisão, estamosverificando isso... a guerrilha queria libertar alguns detidospertencentes à guerrilha", disse Valencia a jornalistas. O general Eduardo Morales, diretor do Inpec, disse haverestrita vigilância e atividades de inteligência contra ataquese fugas em todas as penitenciárias onde há rebeldes das Farcpresos. Na semana passada, o Exército impôs um duro golpe às Farcao libertar Betancourt e 14 outros reféns, parte de um grupoque a guerrilha pretendia trocar por 500 rebeldes detidos.Prevendo possíveis represálias, as autoridades reforçaram asegurança de funcionários e prédios públicos. As Farc ainda mantêm consigo pelo menos 25 reféns decaráter político, mas analistas dizem que, depois dabem-sucedida operação militar do governo, a guerrilha perdeusua capacidade de negociar uma troca. (Reportagem de Luis Jaime Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.