Colômbia denuncia suposto plano das FARC para assassinar juiz

A Colômbia denunciou no sábado um suposto plano da guerrilha das FARC para assassinar um juiz equatoriano e impedir a normalização das relações diplomáticas entre os governos de Bogotá e Quito.

REUTERS

31 de outubro de 2009 | 18h03

A denúncia surgiu no momento em que os dois países buscam restabelecer os vínculos, um processo paralisado pela decisão do magistrado equatoriano de investigar o comandante das Forças Militares da Colômbia, o diretor da Polícia e um ex-comandante do Exército.

"As Forças Militares da Colômbia receberam informações de inteligência confiáveis que indicam que o grupo narcoterrorista das FARC, que opera na zona sul do país, na fronteira com o Equador, planeja realizar nos próximos dias uma ação terrorista para atentar contra a vida do dr. Daniel Méndez Torres, juiz de Sucumbíos", disse um comunicado,

"Os terroristas planejam se passar por outros grupos criminosos, buscando perturbar o processo de normalização diplomática com o país vizinho e tentando envolver de alguma maneira as autoridades colombianas", disse o Ministério da Defesa em um comunicado.

O ministro da Defesa da Colômbia, Gabriel Silva, disse que entregou a informação às autoridades do Equador com o objetivo de frustrar o plano que classificou como "macabro".

(Por Luis Jaime Acosta).

Tudo o que sabemos sobre:
COLOMBIAFARCEQUADOR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.