Colômbia desativa carros-bomba que seriam usados pelas Farc

Segundo a polícia colombiana, ataques aconteceriam no centro de Bogotá em resposta ao resgate dos reféns

Efe,

08 de julho de 2008 | 21h02

A polícia colombiana anunciou nesta terça-feira, 8, que desativou dois carros-bomba que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) pretendiam detonar no centro da Colômbia como resposta aos golpes perpetrados pelas Forças Armadas colombianas. Fontes oficiais advertiram ainda sobre uma possível escalada terrorista dos rebeldes.   Veja também: Novo líder das Farc aceita 'contato direto' com Álvaro Uribe Ingrid tentou fugir para o Brasil a nado, diz ex-refém O drama de Ingrid Por dentro das Farc  Histórico dos conflitos armados na região    Cronologia do seqüestro de Ingrid Betancourt Leia tudo o que foi publicado sobre o caso Ingrid Betancourt O seqüestro de Ingrid Betancourt    O diretor de Segurança Cidadã da polícia, general Orlando Páez, informou que graças aos trabalhos de inteligência e a informação de voluntários, foi descoberto um automóvel com 200 quilos de nitrato de amônio e uma caminhonete que ia para a cidade de Neiva com 60 quilos de pentolita (mistura de PETN e TNT).   "Primeiro o encontramos em uma zona rural do município de Tello e já tinham instalado nele o temporizador e estava pronto para movimentar até o lugar no qual seria ativado, e o outro era movido por dois guerrilheiros com um dispositivo eletrônico de ativação", declarou o oficial a jornalistas.   Durante a segunda ação, foram capturados quatro membros da coluna móvel Teófilo Forero das Farc que seriam os encarregados de ativar a carga em Neiva, capital do departamento de Huila. Segundo a polícia colombiana, os carros-bomba foram adaptados pelas Farc com cilindros de gás carregados com explosivos e estilhaços.   Páez advertiu sobre uma possível escalada terrorista das Farc nas principais cidades da Colômbia em resposta à operação de resgate de 15 reféns dessa guerrilha, entre eles Ingrid Betancourt e três americanos, e a morte de vários dos principais chefes rebeldes.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaFarc

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.