Colômbia deve controlar fronteira com Equador--secretário da OEA

A Colômbia deve promover ações paraevitar que grupos ilegais entrem no Equador, e não minimizar osesforços do país vizinho para combater suas incursões eoperações, disse na segunda-feira o secretario da Organizaçãodos Estados Americanos (OEA), José Insulza. A advertência acontece no momento em que Quito e Bogotátentam retomar relações após a crise iniciada pela incursão desoldados e aeronaves colombianas no Equador em um ação queterminou na morte do porta-voz das Forças ArmadasRevolucionárias da Colômbia (Farc), conhecido como Raúl Reyes. É necessário identificar "a tarefa imensa que os governostêm adiante para impedir a circulação desses grupos nessaszonas. No caso do governo da Colômbia, para impedir que passema território equatoriano. Isso é o que deveria ser feito",afirmou Insulza. O secretário da OEA visitou a província amazônica deSucumbíos, ao oeste de Quito, onde aconteceu a ação militar epolicial na qual Reyes morreu, em 1 de março, levando o Equadora romper relações com a Colômbia e a mobilizar tropas à suafronteira por conta da violação do seu território. Colômbia e Equador divergem sobre os mecanismos paraestabilizar a fronteira de quase 600 quilômetros entre os dois,em meio a questionamentos do presidente equatoriano, RafaelCorrea, de que o seu colega colombiano, Álvaro Uribe, nãoexerce seu controle e que deixou a área no domínio das Farc.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.