Colômbia divulga vídeo provando que reféns das Farc estão vivos

O governo colombiano divulgou nasexta-feira imagens da ex-candidata a presidente IngridBetancourt e de três norte-americanos, todos reféns daguerrilha Farc, na primeira prova desde 2003 de que eles estãovivos. Os vídeos, que mostravam também militares sequestrados,foram gravados até outubro e acabaram sendo confiscados de trêssupostos rebeldes capturados em Bogotá, segundo Luis CarlosRestrepo, alto-comissário do governo para a Paz. Betancourt foi sequestrada durante a campanha eleitoral de2002. Os três norte-americanos participavam de ações dedestruição de lavouras de coca quando foram capturados pelaguerrilha. Eles fazem parte de um grupo de cerca de 50 refénsque as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc)pretendem trocar por militantes presos. "Numa operação do Exército colombiano contra as redesurbanas das Farc, três pessoas foram capturadas, e em seu poderfoi encontrada a prova de vida de um grupo de vítimas desequestro", disse Restrepo. Nos breves trechos transmitidos pela TV local, Betancourtaparece sentada num ambiente de selva. Segundo Restrepo, tambémforam achadas fotos e cartas dos reféns. "Tudo o que vemos é uma única foto em que ela está sentadajunto a uma pequena mesa e parece bem magra, com o cabelolonguíssimo. Ela está olhando para baixo. Tive a sensação deque sua mão estava acorrentada. É uma imagem triste da minhairmã, mas ela está viva", disse Astrid, irmã de Betancourt, àTV LCI, da França -- a ex-candidata também tem cidadaniafrancesa. O presidente da França, Nicolas Sarkozy, teve papelimportante nos recentes esforços para mediar a troca deprisioneiros entre governo e guerrilha. Neste ano, o governocolombiano soltou um líder das Farc, como gesto de boa-vontadepela negociação, e convidou o presidente da Venezuela, HugoChávez, para também participar da mediação -- embora na semanapassada o tenha destituído dessa função, porque o venezuelanoconversou um comandante militar sem pedir autorização dopresidente colombiano, Álvaro Uribe. O presidente francês, Nicolas Sarkozy, considerou animadoraa notícia. "Agora que sabemos que está viva, nós devemos lutar demaneira implacável para obter a sua libertação", disse Sarkozya jornalistas na cidade de Nice. (Reportagem adicional de Laure Bretton e Emmanuel Jarry emParis)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.