Colômbia gastará mais de US$3,9 bi em indenizações de vítimas

A Colômbia gastará mais de3,9 bilhões de dólares para indenizar as vítimas da guerrilha edos esquadrões paramilitares, anunciou nesta terça-feira opresidente Álvaro Uribe ao sancionar um decreto que fixa osmecanismos de reparação por meio administrativo. O país sul-americano de mais de 42 milhões de habitantesenfrenta um violento conflito interno de mais de quatro décadasque faz milhares de vítimas por ano, a maioria civis, e no meiodo qual se enfrentam rebeldes de esquerda com paramilitares deultra-direita. "O estimado até hoje pode custar 7 bilhões (de pesos). Istoé quase dois por cento do PIB", disse Uribe no ato de sanção dodecreto. "Então fazer um esforço de 7 bilhões, que não sabemos aquanto pode chegar --7 bilhões inicialmente estimados-- em umpaís altamente endividado, com alto déficit, pobreza,desemprego e com altas carências em necessidades básicas einfra-estrutura, penso que é um esforço meritório", afirmou. O processo de reparação estabelece que, depois que umapessoa é considerada vítima por um comitê, recebe anualmenteuma indenização por um período de 10 anos. O decreto estabelece o montante das indenizações porhomicídios, desaparecimentos forçados, sequestro, tortura,deslocamento forçado, violação sexual e recrutamento demenores, entre outros delitos. "Este decreto ajuda a confiança a florescer entre asvítimas. Confiança da qual se infere um sentimento dereconciliação, que dá solidez, no médio e longo prazo, àpolítica de segurança democrática", assegurou Uribe. Os recursos investidos na reparação das vítimas provêm doorçamento do país. Até o momento, mais de 100 mil pessoas se apresentaramdiante de um comitê em busca de reparação econômica, mas acifra pode disparar dramaticamente nos próximos meses, deacordo com o governo. O próprio Uribe mencionou um estudo que revelou que 50 porcento das famílias colombianas são vítimas de violência. (Reportagem de Luis Jaime Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.