Colômbia não pagará indenização por bombardeio no Equador

Ministro colombiano respondeu as declarações feitas pela chanceler equatoriana

Efe,

06 de junho de 2008 | 04h15

O ministro das Relações Exteriores da Colômbia, Fernando Araújo, voltou a afirmar nesta quinta-feira, 5, que seu governo não indenizará o Equador pelo bombardeio realizado em março contra um acampamento das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em seu território, no qual foi morto o "número dois" da guerrilha, conhecido como Raúl Reyes. Araújo, que participou de um fórum sobre cooperação internacional na cidade de Santa Marta, se referiu às declarações feitas na terça-feira, em Medellín (Colômbia), pela chanceler equatoriana, María Isabel Salvador. A chanceler do Equador afirmara, durante a 38ª Assembléia da Organização dos Estados Americanos (OEA), que seu país esperava ser ressarcido pelos prejuízos causados na incursão colombiana contra um acampamento ilegal das Farc no qual se encontrava Raúl Reyes. "Nós não pagamos indenizações por ações contra terroristas", disse nesta quinta-feira o chanceler colombiano. "O que reivindicamos é a cooperação, firme e decidida, de todos os países irmãos na luta contra o terrorismo", disse o ministro colombiano. O Equador rompeu relações com a Colômbia em 3 de março, em protesto contra a invasão colombiana a seu território. A chanceler Salvador disse que, embora tenha havido avanços para a retomada das relações, "graças aos bons ofícios da OEA", ainda não há condições para que Quito envie novamente um embaixador a Bogotá, nem para que ela tenha uma reunião imediata com Araújo.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaEquadorFarc

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.