Colômbia nega à guerrilha status político pedido por Chávez

A Colômbia rejeitou na sexta-feira umasolicitação do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, para quereconheça as duas principais guerrilhas do país como forçasinsurgentes com projetos políticos e deixe de considerá-lasgrupos terroristas. "Todos os grupos violentos da Colômbia são terroristas.Terroristas são as Farc, o ELN, os paramilitares em processo dedesmantelamento. São terroristas por atentar contra umademocracia respeitável e por seus métodos de extermínio dahumanidade", informou um comunicado da Presidência. "O governo da Colômbia por nenhum motivo aceita que seretire destes grupos o qualificativo de terroristas e que lhesdêem status de beligerância", completou o comunicado. As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), com17.000 combatentes, e o Exército de Libertação Nacional (ELN),com 5.000 homens, estão na lista de organizações terroristasdos Estados Unidos e da União Européia. A Colômbia lembrou que os grupos guerrilheiros se financiamdo narcotráfico, sequestram, põem bombas de formaindiscriminada, matam crianças e mulheres e utilizam minas quetiram vidas de inocentes. (Reportagem de Luis Jaime Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.