Colômbia oferece US$ 275 mil em recompensa por autores de atentado

Detonação de carro-bomba em Bogotá não deixou apenas danos superficiais em veículos e edifícios

Efe

13 de agosto de 2010 | 15h01

BOGOTÁ - O governo da Colômbia anunciou nesta sexta-feira, 13, que está oferecendo mais de US$ 275 mil de recompensa por informação que permita às autoridades chegar aos autores do atentado com carro-bomba em Bogotá.

 

Veja também:

linkColômbia diz ser cedo para tirar conclusões

linkTerroristas desafiam novo governo da Colômbia

 

O anúncio da recompensa, equivalente a 500 milhões de pesos colombianos, foi feito pelo presidente Juan Manuel Santos, a partir de Popayán, no departamento do Cauca (sudoeste), para onde viajou para liderar um conselho de segurança com o ministro da Defesa, Rodrigo Rivera.

 

Em Bogotá, um homem se entregou à Policia, identificado como Gustavo Ladino, que admitiu ter falsificado as placas do veículo que foi carregado com 50 quilos de explosivos para perpetrar o atentado. Ladino, no entanto, foi interrogado na Procuradoria Geral, e esclareceu que não teve nenhuma responsabilidade no planejamento do atentado, tampouco na colocação do material explosivo.

 

A ação terrorista, não reivindicada por nenhum grupo ainda, ocorreu na madrugada de quinta-feira, em torno das 5h30 no horário local (7h30 de Brasília), antes do início das atividades cotidianas, o que impediu que fossem mais graves as consequências da explosão, que não causou vítimas fatais.

 

O último balanço do Sistema Distrital de Prevenção e Atenção de Emergências de Bogotá assinalou que 808 pessoas resultaram afetadas, em 424 imóveis registraram danos e 36 pessoas ficaram feridas, embora todas tenham recebido atendimento e liberadas depois. Além disso, a explosão causou danos em 124 pontos comerciais, dezenas de escritórios e em 18 veículos.

 

A área afetada compreende o centro financeiro do norte de Bogotá, colégios, edifícios, casas e diversos comércios, e a Sétima Avenida, onde foi colocado o carro-bomba, é uma das ruas com maior trânsito de veículos do serviço público e privado.

 

As autoridades colombianas ainda não descartam nenhuma hipótese sobre os autores do atentado, explicou hoje a várias emissoras locais o procurador-geral interino, Guillermo Mendoza. Para alguns analistas e relatórios de inteligência, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), acompanhadas do crime organizado, estariam por trás do atentado.

 

Segundo publicou nesta sexta o jornal El Espectador, uma gravação de Germán Briceño, conhecido como Grannobles e comandante da frente 10 das Farc, foi interceptada pelo Exército em junho e revela a ordem dada por esse chefe guerrilheiro para executar ações terroristas em Bogotá.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaatentadorecompensaBogotá

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.