Colômbia pára ações militares para ajudar libertação de reféns

As Forças Armadas da Colômbia suspendemdurante 12 horas na quarta-feira as suas operações militares emuma zona de selva do sudeste do país, a fim de facilitar umamissão humanitária da Venezuela para resgatar quatro reféns quedevem ser soltos pela guerrilha Forças Armadas Revolucionáriasda Colômbia (Farc). O ministro da Defesa, Juan Manuel Santos, disse que asuspensão entrou oficialmente em vigor às 6h (8h, horário deBrasília), embora há dias já não houvesse operações ofensivasna região. A pausa foi decidida para garantir a segurança dosex-parlamentares Jorge Eduardo Gechem, Luis Eladio Pérez,Orlando Beltrán e Gloria Polanco, sequestrados há mais de seisanos. Dois helicópteros venezuelanos com emblemas do ComitêInternacional da Cruz Vermelha pousarão no aeroporto dalocalidade colombiana de San José del Guaviare para abastecer,e em seguida decolam com destino a algum lugar da selva. "Saem dois helicópteros de Santo Domingo (Venezuela),aterrissam em San José del Guaviare às 9h30 (hora local), aliabastecem e depois se deslocam ao local onde estão ossequestrados, que fica nos municípios de San José del Guaviaree El Retorno, sobre os quais nos pediram garantias e assimfizemos", disse Santos. Depois de recolhidos, eles serãoentregues à Venezuela. De acordo com o ministro, há uma segunda opção, solicitadapela Cruz Vermelha, de que o ex-senador Gechem, quesupostamente está doente, seja levado o antes possível para umhospital na própria Colômbia, caso precise de atendimentoimediato. A região da operação é uma ampla zona de floresta comenormes cultivos do arbusto da coca -- matéria-prima da cocaína-- e alta presença das Farc, razão pela qual é cenário deintensas ações das Forças Armadas e da polícia contra aguerrilha e o narcotráfico. A chefe da delegação do Comitê Internacional da CruzVermelha na Colômbia, Barbara Hintermann, disse que o governo eas Forças Armadas ofereceram todas as garantias para alibertação dos reféns e o sucesso da operação. (Reportagem de Luis Jaime Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.