Colômbia pede que se acelere a libertação de 4 reféns das Farc

A Colômbia pediu na quinta-feira para asFarc acelerarem o processo de libertação de quatroex-parlamentares sequestrados, e se comprometeu a dar asgarantias necessárias para a entrega, apesar de afirmar saberqual a região onde estão os reféns. As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc)anunciaram no início do mês que entregarão, a uma comissãoorganizada pelo presidente venezuelano, Hugo Chávez, ospolíticos Luis Eladio Pérez, Orlando Beltrán e Gloria Polanco,a quem se somaria Jorge Eduardo Gechem. "Como tem sido a política do governo, temos feito tudo queestá ao nosso alcance para facilitar essas libertaçõesunilaterais e incondicionais e, neste caso, fazemos um chamadopara que se acelere a libertação devido ao estado de saúde dosenador Gechem", disse o ministro da Defesa, Juan ManuelSantos. "Continuaremos dispostos a dar todas as facilidades quepermitam que esta libertação se realize o mais rápidopossível", acrescentou. O ministro garantiu que, por meio de informações dainteligência militar, o governo sabe que Beltrán e Polancoestão perto do local onde foram libertadas em janeiro aspolíticas Clara Rojas e Consuelo González, no departamento deGuaviare. Santos disse que Pérez foi levado para esse lugar nosúltimos dias, mas que Gechem está em outro acampamento, a cercade 15 quilômetros de distância, e que não pôde se reunir aosdemais reféns devido a sua frágil condição de saúde. "Infelizmente, também soubemos que se encontra em graveestado de saúde, o que faz presumir que poderia não ser capazde fazer a viagem para reunir-se com os demais sequestrados",acrescentou. Os familiares dos reféns pediram ao governo do presidentecolombiano Alvaro Uribe que não ordene uma operação de resgatemilitar, para evitar colocar em risco a vida de seus entesqueridos. (Por Luis Jaime Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.