Colômbia prende 21 em maior ação contra o tráfico da década

Ação realizada com ajuda dos EUA desarticula rede que tinha ligações com o cartel de Sinaloa, no México

REUTERS

08 de fevereiro de 2010 | 16h17

A polícia da Colômbia, com o apoio da agência antidrogas norte-americana, desarticulou quatro redes de narcotraficantes e capturou 21 pessoas com pedido de extradição nos Estados Unidos na maior operação antidrogas da última década.

O diretor da Polícia Nacional, general Oscar Naranjo, revelou nesta segunda-feira que entre os capturados estão 12 pilotos e uma mulher acusada de ser a ligação entre os cartéis colombianos e o mexicano Joaquín "El Chapo" Guzmán, do cartel de Sinaloa.

"Estamos diante do golpe estrutural mais importante desde que se produziu a chamada Operação Milênio", disse a autoridade, destacando o apoio da agência antidrogas dos EUA.

"Estamos falando de uma operação sustentada de dois anos que permitiu a acumulação de material incontestável de tráfico, a identificação de rotas, de aeronaves, de centros de provisão em 10 países da América", explicou Naranjo.

O general disse que as redes desarticuladas transportavam cocaína para quatro poderosos narcotraficantes colombianos, incluindo Daniel "El Loco" Barrera e os irmãos Javier Antonio e Luis Enrique Calle Serna.

"Segundo as pesquisas, só um dos detidos tinha cinco aviões privados que foram retidos com droga na última semana. Um total de 25 aeronaves foram identificadas e retidas", declarou Naranjo.

Desde a Operação Milênio, realizada entre 1988 e 1999, na qual foi pego Fabio Ochoa Vásquez, famoso narcotraficante da Colômbia que foi extraditado para os Estados Unidos, não se dava um golpe tão significativo às estruturas do narcotráfico na Colômbia, segundo a Polícia Nacional.

A Colômbia é considerada o maior produtor mundial de cocaína e os Estados Unidos são seu principal aliado na luta contra o narcotráfico.

(Reportagem de Luis Jaime Acosta)

Tudo o que sabemos sobre:
COLOMBIAEUANARCOTRAFICO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.