Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

Colômbia reativa voos comerciais internacionais

Com base na diminuição no número de mortes diárias causadas pelo coronavírus, presidente Iván Duque decide afrouxar proibições

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2020 | 19h47

Cartagena -  O presidente da Colômbia, Iván Duque, participou do reinício dos voos comerciais internacionais no país neste sábado, 19, após quase seis meses de interrupção pandêmica. 

"Hoje é um dia muito especial para os cartageneros. Estamos no Aeroporto Internacional Rafael Nuñez para inspecionar protocolos de biossegurança e acompanhar o processo de revitalização econômica, social e turística com a reabertura de voos internacionais para a região", disse o representante. 

As duas primeiras rotas ligam o país aos Estados Unidos, e espera-se que em breve cheguem viagens do Brasil, Bolívia, Guatemala, Equador, República Dominicana e México. Voos comerciais internacionais também serão reiniciados em Bogotá na segunda-feira.

Considerado Patrimônio Mundial pela Unesco, Cartagena das Índias é um dos principais pontos turísticos da Colômbia, com a chegada de navios de cruzeiro e milhares de turistas estrangeiros todos os anos.  Durante a pandemia do novo coronavírus, a cidade foi duramente afetada tanto na questão econômica, quanto sanitária. Em junho os corpos chegaram a ser acumulados em hospitais e casas diante de atrasos na coleta, porém a curva de contágio estabilizou em setembro, segundo o Instituto Nacional de Saúde.

A Colômbia detectou o primeiro caso de covid-19 proveniente da Itália em 6 de março e fechou suas fronteiras aéreas 17 dias depois. Desde então, a pandemia deixou mais de 24 mil mortes e 750 mil contagiados na nação de cerca de 50 milhões de pessoas. A quarta economia latino-americana entrou em confinamento rigoroso em 25 de março, mas o colapso econômico a forçou a afrouxar as proibições.

Em 1 º de setembro, Iván Duque proclamou o fim do confinamento rigoroso e optou por uma nova estratégia baseada mais no autocuidado e no uso generalizado da máscara em espaços públicos. Eventos em massa continuam proibidos, mas novos setores econômicos foram abertos sob protocolos de proteção, como voos domésticos, restaurantes a céu aberto e comércio não essencial.

Embora o vírus continue a circular, Duque justificou o novo relaxamento, garantindo que a Colômbia alcançasse uma "espécie de planalto com tendência de queda" em contágios. Nas últimas semanas, as autoridades têm visto uma diminuição no número de mortes diárias causadas pelo vírus./AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.