Colômbia veta comunidade internacional em libertação de reféns

O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, anunciou nesta segunda-feira que seu governo facilitará todas as condições de segurança para que as Farc libertem seis reféns nos próximos dias, mas advertiu que não permitirá o envolvimento da comunidade internacional na operação. "O governo, como sempre, dá as garantias através da Cruz Vermelha Internacional, se forem libertar de verdade os sequestrados", disse o presidente em ato oficial. "O governo pede que personalidades internacionais não se envolvam, porque o fazem e simplesmente terminam criando dificuldades às relações internacionais do país", acrescentou Uribe. As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) anunciaram no domingo que libertarão nos próximos dias o ex-governador do Departamento de Meta Alán Jara, o ex- deputado Sigifredo López e quatro efetivos do Exército e da polícia. O grupo rebelde disse que entregará os reféns para a senadora do Partido Liberal (de oposição) Piedad Córdoba, que anunciou sua intenção de vincular ao processo de libertação o presidente da Venezuela, Hugo Chávez. O presidente venezuelano coordenou com Córdoba, no começo deste ano, duas missões humanitárias nas quais as Farc libertaram seis políticos que eram mantidos reféns na selva colombiana. (Reportagem de Luis Jaime Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.