Colombianos marcam data nacional com protestos contra sequestro

Os colombianos saíram às ruas nestedomingo para protestar contra os sequestros que atormentam opaís em seus 44 anos de guerra contra a guerrilha. Milhares sãoesperados para participar de passeatas em cidades de toda aColômbia. Os manifestantes têm como lema que neste ano a data de 20de julho, o Dia da Independência do país, deveria ser chamadade "Dia da Liberdade", em nome das 2.800 pessoas mantidasreféns em acampamentos isolados nas montanhas e na selva. Os manifestantes pediram que as Forças ArmadasRevolucionárias da Colômbia (Farc) e outros grupos ilegaisparem de tomar pessoas como reféns e deponham suas armas. As passeatas vão impor mais pressão às Farc, que sofreuduros reveses recentemente como resultado da ofensiva militardo presidente colombiano, Alvaro Uribe, com o apoio dos EstadosUnidos. Uribe é visto como herói por muitos colombianos por partirpara o ataque contra os rebeldes que combatem o governo desdeos anos 1960. Ele alcançou 90 por cento de apoio popular depoisdo dramático resgate de 15 dos reféns mais importantes para asFarc em 2 de julho. Outras manifestações similares foram realizadas em váriascidades do mundo, incluindo Paris, onde a política IngridBetancourt, que fazia parte do grupo dos 15 libertados estemês, discursou para uma multidão emocionada antes de umconcerto do popstar colombiano Juanes. Betancourt, que tem nacionalidade colombiana e francesa,ficou mais de seis anos em cativeiro. Ela pediu aos rebeldesque mantenham conversações de paz com Uribe, cujo pai foi mortoem uma fracassada tentativa de resgate das Farc, em 1983. Nos últimos 12 anos, 23.854 pessoas foram sequestradas naColômbia, das quais 2.800 permanecem em cativeiro. "Vamos gritar para a selva", disse o cantor colombianoCarlos Vives, antes de um concerto que será realizado na cidadeamazônica de Letícia. Ele disse esperar que sua mensagem alcance alguns dosestimados 700 reféns mantidos pelas Farc para obter resgate oupor razões políticas. Os outros reféns estão em mãos de váriosgrupos criminosos. Betancourt, três empreiteiros do setor de defesanorte-americano e outros 11 reféns foram resgatados em umaoperação na qual os militares colombianos enganaram osrebeldes, fazendo-se passar por agentes de uma organizaçãonão-governamental. Parentes das pessoas que permanecem sequestradas temem quea pressão internacional possa esmorecer agora que Betancourt eos três norte-americanos --os reféns mais valiosos das Farc--foram soltos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.