Comandante nega que Correa tenha sido sequestrado por policiais

Presidente está refugiado em hospital policial após ter sido atingido por gás lacrimogêneo

estadão.com.br,

30 de setembro de 2010 | 19h34

Manifestantes expressam apoio a Correa em Quito. Foto: Efe/Stringer

 

QUITO- O comandante da Polícia do Equador, general Freddy Martínez, negou nesta quinta-feira, 30, que o presidente Rafael Correa esteja sequestrado por membros de sua instituição, que se rebelou contra o governo devido a uma lei que lhes tira benefícios econômicos.

 

Veja também:

blog Radar Global: acompanhe a crise minuto a minuto

mais imagens Galeria de fotos: veja imagens dos protestos

som Território Eldorado: Situação tranquila nas ruas, diz embaixador brasileiro

 

"Não, não está detido", respondeu o oficial à agência AFP, ao ser consultado sobre se o presidente permanecia sequestrado no hospital policial.

 

Correa denunciou que havia um tentativa de golpe de estado contra seu governo, e disse que sua vida corria perigo, ao falar do hospital policial de Quito, onde se refugiou após ser agredido com gases lacrimogêneos pelos policiais manifestantes.

 

O vice-presidente Lenín Moreno havia sinalizado previamente que Correa tinha sido vítima de uma tentativa de sequestro neste centro médico, onde nesta quinta-feira se reuniu com representantes dos policiais rebeldes.

 

"Um grupo de desajustados tentou sequestrar o presidente da república", disse Moreno à televisão equatoriana, no porto de Guauyaquil (sudoeste), de onde esperava voar a Quito assim que a situação se normalizasse nos aeroportos.

 

O presidente venezuelano Hugo Chávez afirmou que tinha falado com Correa cerca de quatro vezes e que ele informou que estava "sequestrado" em um hospital da polícia, acompanhado de um grupo reduzido de colaboradores e que temia por sua vida.

 

O general Martínes, no entanto, que se mantém leal ao governo, assegurou que a segurança do chefe de Estado "estava garantida" nessa clínica, onde recebe cuidados médicos após passar por uma operação no joelho na semana passada.

 

"Temos que protegê-lo. O presidente está no hospital sendo cuidado pelos médicos, afirmo que seu estado está normal", indicou o oficial, que de manhã tentou resolver o protesto mas não foi escutado pelos seus subalternos.

 

Policiais e militares se rebelaram devido a uma lei que corta benefícios da categoria.

 

Leia mais:

linkGoverno do Equador anuncia primeiro morto em manifestações

linkCorrea acusa oposição de tentar derrubá-lo

linkOEA condena tentativa de alterar 'ordem democrática' no Equador

linkChávez anuncia reunião de emergência da Unasul na Argentina

linkComunidade internacional condena revolta militar no Equador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.