Combates entre Exército e Farc deixam 12 mortos na Colômbia

Dez guerrilheiros e dois soldadosmorreram no sábado em combates entre o Exército e a maior forçaguerrilheira da Colômbia em uma zona florestal no sudestedopais, informaram as autoridades militares. As lutas entre as tropas da Sétima Brigada do Exército e 39membros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc)ocorreram próximas ao povoado de Mapiripán, no distrito deMeta, 270 quilômetros a sudeste de Bogotá. Os combates aconteceram um dia depois que o governocolombiano divulgou provas de vida de 16 reféns sequestradospelas Farc, incluindo a candidata presidencial IngridBetancourt e três cidadãos dos Estados Unidos. A região onde os combates ocorreram é estratégica para ocultivo da folha de coca e produção de cocaína. As Farc, grupo guerrilheiro ativo mais antigo docontinente, são acusadas de obter recursos milionários donarcotráfico para financiar um exército clandestino de 17 milcombatentes, que enfrenta as Forças Armadas em um conflitointerno que mais de quatro décadas, que ceifou dezenas demilhares de vidas. O grupo rebelde é considerado pelos Estados Unidos e pelaUnião Européia como uma organização terrorista e afirma lutarpara impor um sistema socialista no país sul-americano. O presidente da Colômbia, Alvaro Uribe, instaurou, como oapoio dos Estados Unidos, uma ofensiva militar agressiva contraos rebeldes, que foram obrigados a recuar. O Exército e apolícia recuperaram o controle de regiões antes dominadas porgrupos armados clandestinos. A estratégia, que inclui o aumento do número de efetivosdas Forças Armadas, permitiu a redução de assassinatos,massacres, seqüestros e ataques à infra-estrutura econômica dopaís. Adicionalmente, permitiu a melhoria da percepção desegurança no país e aumentou a confiança de investidores eempresários, situação que estimulou o bom comportamento daeconomia colombiana. (Reportagem de Luis Jaime Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.