Começa a disputa eleitoral na Venezuela; Chávez está confiante

A campanha para a eleição presidencial de 2012 na Venezuela começou extraoficialmente na quarta-feira, com o presidente Hugo Chávez e seus inimigos buscando apoio e prevendo vitórias.

ANDREW CAWTHORNE, REUTERS

14 Setembro 2011 | 13h18

As autoridades eleitorais estabeleceram a votação para 7 de outubro - dia do santo patrono da cidade natal de Chávez, Sabaneta, e também o aniversário de um líder da oposição -, o que dá a entender que o membro sul-americano da Opep está pronto para um ano de muita politicagem barulhenta.

"Eu dou a ordem para se prepararem para a batalha e a grande vitória em 7 de outubro", disse Chávez, depois de garantir mais uma vez seus partidários de que estaria bem depois do tratamento do câncer.

O diagnóstico de câncer de Chávez, de 57 anos, e o tratamento de quimioterapia lhe renderam uma pequena solidariedade nas pesquisas de opinião, onde sua aprovação permanece acima dos 50 por cento. Apesar disso, a má saúde prejudicou sua aura de invencibilidade.

O falador líder socialista governa a Venezuela desde 1999, remodelando a economia seguindo linhas estatais e se transformando em um dos maiores críticos dos Estados Unidos. Mas ele enfrenta um movimento de oposição mais unido do que nunca e que deve se reunir em torno de uma candidatura única depois da eleição primária em fevereiro.

Analistas dizem que enquanto Chávez tem muito mais recursos para influenciar os eleitores, a disputa está aberta por causa da divisão da nação e da incerteza com relação a sua saúde.

O presidente deve começar uma quarta sessão de quimioterapia nos próximos dias. Ele disse que essa deve ser a última, mas poucos detalhes são conhecidos sobre sua condição precisa depois da cirurgia em Cuba para retirar um tumor na região pélvica.

"QUE O JOGO COMECE"

Apesar de ter reduzido as aparições públicas e de seguir uma rotina pessoal mais rígida seguindo ordens médicas, Chávez mantém-se onipresente graças a telefonemas diários para a mídia estatal e mensagens constantes pelo Twitter.

Isso faz os analistas preverem uma campanha "virtual" em vez de suas idas e vindas costumeiras pela nação.

"Doente ou não, Chávez já está em modo de campanha", disse o instituto sediado na Inglaterra LatinNews.

Uma data de eleição em outubro, mais cedo do que o cronograma tradicional de dezembro na Venezuela para a eleição presidencial, dá a Chávez menos tempo para se recuperar, mas também significa uma campanha mais curta e que exigiria menos de sua saúde.

Mais conteúdo sobre:
VENEZUELA ELEICAO CHAVEZ*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.