Começa no Chile o maior processo de ex-agentes da ditadura

Juiz chileno inicia ação contra 98 agentes da polícia secreta da ditadura Pinochet por 119 desaparecimentos

Efe,

26 de maio de 2008 | 18h57

Um juiz chileno iniciou nesta segunda-feira, 26, o processo de 98 agentes e colaboradores da Direção de Inteligência Nacional (Dina), a Polícia secreta do regime militar, pelo desaparecimento de 119 opositores à ditadura de Augusto Pinochet no ano de 1975, informaram fontes judiciais. Veja também:França tenta adiar julgamento por crimes da ditadura chilena O processo, que será notificado entre esta segunda e terça-feira, está relacionado com a chamada "Operação Colombo", uma farsa criada em 1975 para encobrir o desaparecimento de militantes esquerdistas durante o regime militar. É o maior processamento em massa do Chile por violações aos direitos humanos. No país, há cerca de 400 processos abertos por este motivo desde o retorno da democracia, em 1990. Os autos estão sendo redigidos pelo juiz Victor Montiglio, que, em dezembro de 2005, já processou Augusto Pinochet por este mesmo caso. No entanto, o ex-presidente chileno morreu um ano depois, aos 91 anos, sem ter sido julgado pelas violações aos direitos humanos durante a ditadura nem por crimes financeiros vinculados a contas secretas. Entre os processados há militares, civis e carabineiros (membros da Polícia militarizada), todos eles ex-agentes da Dina. Sob a ditadura de Pinochet, cerca de três mil pessoas morreram.

Tudo o que sabemos sobre:
ChilePinochetditadura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.