Comissão da OEA chega ao Equador neste fim-de-semana

No domingo, comissão se reunirá com Rafael Correa para tratar da crise gerada pela invasão colombiana

Efe,

07 de março de 2008 | 01h08

A comissão criada pela Organização dos Estados Americanos (OEA) após a crise surgida entre Quito e Bogotá chegará ao Equador no sábado, 8, e no dia seguinte se reunirá com o chefe de Estado, Rafael Correa.  Veja também:Nicarágua rompe relações com a Colômbia e crise se agravaOEA: falta muito para resolver impasse Chávez protegeria nº 1 das Farc, diz rádioLula classifica de madura decisão da OEA sobre conflito regionalResolução diz que Colômbia violou soberania do EquadorColômbia exibe imagens da incursão militar  Dê sua opinião sobre o conflito   Por dentro das Farc Entenda a crise   Histórico dos conflitos armados na região  'É possível que as Farc se desarticulem'   Embaixador brasileiro Osmar Chohfi comenta decisão da OEA   A Chancelaria havia anunciado previamente que a comissão chegaria no domingo, mas o ministro coordenador de Segurança, Gustavo Larrea, confirmou nesta quinta-feira, 6, em entrevista coletiva que o grupo internacional vai aterrissar no Equador no sábado à noite. Larrea disse que a comissão, liderada pelo secretário-geral da OEA, o chileno José Miguel Insulza, será integrada por representantes de Brasil, Argentina, Panamá e Peru, mas excluiu as Bahamas, que consta no comunicado da Chancelaria. Segundo o ministro, a comissão se reunirá no domingo com Correa, a chanceler María Isabel Salvador, o titular da Defesa, Wellington Sandoval, e com ele. Na próxima segunda-feira, os representantes do Governo e a comissão do organismo interamericano visitarão a zona fronteiriça com a Colômbia, onde aconteceu a incursão que gerou a crise. Na quarta-feira, os 34 países-membros da organização aprovaram a formação de um grupo que ficará encarregado de coletar dados e redigir um relatório com propostas para a aproximação das duas partes.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaEquadorOEA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.