Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Conflito Colômbia-Equador marca início do Grupo Rio

Correa pede condenação à invasão do Equador; Haiti é aprovado como novo membro da cúpula

Reuters,

06 de março de 2008 | 16h02

Os chanceleres do Grupo do Rio iniciaram nesta quinta-feira, 6, a 20ª cúpula da entidade, marcada pelo conflito entre Colômbia, Equador e Venezuela. A reunião, onde oficialmente não se discutiria o conflito entre os países, foi aberta pelo chanceler dominicano, Carlos Morales Troncoso.   Veja também: OEA: falta muito para resolver impasse Chávez protegeria nº 1 das Farc, diz rádio Lula classifica de madura decisão da OEA sobre conflito regional Resolução diz que Colômbia violou soberania do Equador Colômbia exibe imagens da incursão militar  Dê sua opinião sobre o conflito   Por dentro das Farc  Entenda a crise   Histórico dos conflitos armados na região   'É possível que as Farc se desarticulem'   Embaixador brasileiro Osmar Chohfi comenta decisão da OEA     O ambiente da cúpula foi dominado pelo impasse, apoiado na possível presença dos três presidentes dos países envolvidos e do eventual papel mediador do Grupo do Rio.   O presidente do Equador, Rafael Correa, pediu que os membros do Grupo condene a Colômbia pela "invasão" a seu país, em referência a ação militar colombiana contra as Farc na semana passada. "Teremos que tomar decisões importantes: condenar claramente a agressão da Colômbia ao Equador e obrigar este governo a nunca mais se atrever a invadir um país irmão", disse Correa.   "Tenho a confiança de que hoje e amanhã cada nação aqui representada se sentará à mesa para acabar com as diferenças e fortalecer o consenso", declarou Troncoso, na abertura do evento.   O chanceler deixou em aberto uma possível mediação do presidente dominicano, Leonel Fernández, mas ainda não foi confirmada a presença em Santo Domingo dos três chefes de Estado envolvidos no impasse diplomático.   Troncoso destacou o papel que Fernández pode desempenhar, por ser "não apenas um conciliador, mas um mediador natural."   Os temas principais de discussão na reunião são a energia, o desenvolvimento e os desastres naturais. O encontro, porém, poderá discutir qualquer outro assunto de interesse.   Novo membro   Na ocasião, ainda foi aprovada a entrada do Haiti como membro pleno do Grupo. Segundo o chanceler dominicano, ainda se espera que a Guiana se junte a entidade.   Além do Brasil, fazem parte do Grupo a Argentina, Belize, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.  

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaEquadorColômbiaGrupo Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.