Confronto entre militares e crime organizado deixa 7 mortos no México

Tiroteio entre soldados e agressores durou quase quinze horas; norte do país sofre com violência

Efe,

30 de agosto de 2010 | 18h47

CIDADE DO MÉXICO- Ao menos um militar mexicano e seis integrantes do crime organizado morreram nesta segunda-feira, 30, em confronto que durou quase quinze horas no noroeste do país, informou a Secretaria da Defesa Nacional (Sedena).

 

Veja também:

linkÚnico sobrevivente de chacina no México retorna ao Equador

link10% do efetivo da PF mexicana é exonerado por corrupção

linkPrefeito é morto por homens armados no México

link Massacre põe fim a sonho de dois brasileiros

linkOutras duas jovens do País estariam no grupo

lista Saiba mais sobre o tráfico de drogas no México

especialEspecial: México em guerra

 

Segundo o órgão, às 21h de ontem (1h de hoje em Brasília) um tiroteio começou quando militares entraram em uma casa aparentemente usada pelo crime organizado na cidade de Pánuco, no norte do estado de Veracruz.

 

Segundo a secretaria, os soldados "foram agredidos com disparos de armas de fogo e granadas de fragmentação, e repeliram a agressão". Eles conseguiram controlar a situação após horas de tiroteios, "neutralizaram os agressores, ingressaram no imóvel e localizaram os "seis agressores mortos". Cinco soldados ficaram feridos.

 

Seis pessoas foram presas na operação, das quais três ficaram feridas. Foram apreendidos um fuzil AR-15, uma metralhadora, duas pistolas 9 mm e três veículos, um deles blindado.

 

Nas últimas semanas, o norte do México tem sido cenário de vários fatos violentos, como o assassinato do prefeito de Hidalgo, Marco Antonio Leal García, no estado de Tamaulipas, que ocorreu ontem. Na semana passada, 72 imigrantes foram mortos pelo crime organizado na cidade de San Fernando, no mesmo estado.

 

Segurança na fronteira

 

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta segunda que ampliará o uso de aviões não tripulados para reforçar a segurança na fronteira com o México, com a inclusão da área de Corpus Christi (Texas).

 

A secretária de Segurança Nacional dos EUA, Janet Napolitano, disse que a partir desta quarta-feira estará concluído o aumento da vigilância fronteiriça com esses aviões, desde El Centro (Califórnia) até a área do Golfo do México.

 

O uso dos aviões, a cargo do Escritório de Alfândegas e Patrulha de Fronteiras (CPB), fornecerá "uma assistência chave para a vigilância aérea" em toda a área fronteiriça, afirmou Napolitano.

 

A ampliação do uso dos aviões não tripulados (UAV, em inglês) demonstra o compromisso da Administração do presidente Barack Obama "em desdobrar as mais recentes e eficazes tecnologias para a segurança" na fronteira e combater o tráfico de armas, dinheiro, drogas e pessoas, explicou.

 

A Administração Federal de Aviação (FAA) já tinha autorizado o Departamento de Segurança Nacional (DHS) a utilizar esses aviões, denominados "Predator", para a área de Corpus Christi no dia 21 de junho.

 

No começo do mês o Congresso aprovou uma lei bipartidária que fornece US$ 600 milhões em fundos adicionais para melhorar a segurança na fronteira com o México.

 

A medida inclui fundos para a compra de mais aviões não tripulados e a contratação de 1,5 mil novos agentes federais para patrulhar a fronteira sudoeste, entre outras medidas.

 

"A meta é ter uma região fronteiriça segura, que se estenda do Texas até a Califórnia", disse Napolitano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.