Congressistas dos EUA se encontram com Micheletti nesta 6ª

Reunião é contrária à intenção de Obama de evitar contato com os responsáveis pela saída de Zelaya

Agência Estado e Associated Press,

02 de outubro de 2009 | 11h09

Um senador e três deputados dos Estados Unidos planejam se encontrar nesta sexta-feira, 2, com o presidente de facto de Honduras, Roberto Micheletti. A reunião é contrária à intenção de Washington de evitar contato com os arquitetos do golpe militar que derrubou o presidente Manuel Zelaya.

 

Veja também:

linkMicheletti e Zelaya aceitam pontos de proposta de empresários

linkDeputados do País ouvem críticas e defendem Lula

especialEspecial: O impasse em Honduras   

 

O senador pela Carolina do Sul Jim DeMint pretende se encontrar com Micheletti e também com membros da Suprema Corte, funcionários eleitorais e líderes empresariais e cívicos, segundo um porta-voz. A administração do presidente Barack Obama tenta isolar o governo de facto, pressionando para que os novos líderes negociem com Zelaya.

 

DeMint é um dos conservadores que defenderam a deposição de Zelaya, em 28 de junho, no primeiro golpe na América Central em mais de uma década. O senador apoia o plano do governo interino de manter as eleições marcadas para 29 de novembro. A comunidade internacional afirma que rejeitará o resultado eleitoral, caso Zelaya não volte ao posto. Na comitiva norte-americana estão ainda os deputados republicanos Aaron Schock e Peter Roskam, de Illinois, e Doug Lamborn, de Colorado.

 

Zelaya foi deposto após ignorar ordens da Suprema Corte para que desistisse de suas tentativas de alterar a Constituição. Seus opositores argumentam que ele buscava apenas ficar mais tempo no poder, o que ele nega. Desde sua volta ao país em 21 de setembro, Zelaya está abrigado na embaixada do Brasil em Tegucigalpa. Um conservador do Partido Republicano, DeMint chamou Zelaya de "ditador no estilo de Chávez", referindo-se ao presidente venezuelano Hugo Chávez.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasBrasil EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.