Congresso colombiano veta terceiro mandato de Álvaro Uribe

Governistas tentavam incluir artigo à reforma política que permitiria que presidente se candidatasse em 2014

Efe,

29 de outubro de 2008 | 19h52

O Congresso da Colômbia rejeitou nesta quarta-feira, 29, o projeto de reforma constitucional que permitiria ao presidente do país, Álvaro Uribe, se reeleger pela segunda vez em 2010. Após uma acalorada discussão entre os membros do Partido Conservador e depois de duas votações, a Câmara dos Representantes rejeitou esta possibilidade, segundo um comunicado oficial. Veja também:Governistas defendem 3.° mandato para Uribe Alguns setores pró-Uribe tentavam incluir um artigo à reforma política debatida no Congresso, no que permitiria ao atual presidente se candidatar às eleições de 2014, mas o dito item foi rejeitado nesta quarta. O Partido Liberal vetou a iniciativa do artigo 19 da reforma política ao assinalar que a continuação "da autoridade em um mesmo indivíduo freqüentemente foi o término dos governos democráticos." Os liberais citaram a Carta do Congresso de Angostura, do libertador Simón Bolíva, na qual é dito que as "repetidas eleições são essenciais nos sistemas populares, porque nada é tão perigoso como deixar permanecer, por longo tempo, um mesmo cidadão no poder." Por sua parte, o também opositor Pólo Democrático Alternativo (PDA) expressou sua satisfação com a decisão da Câmara dos Representantes. O partido de Uribe considerou que o melhor é excluir o tema da reeleição da reforma política debatida no Congresso e tentar implementá-la por outra via, através de um plebiscito.

Tudo o que sabemos sobre:
UribeColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.