Cônsul paraguaio em SP é suspenso por emitir vistos ilegais

Investigações apontam que cada visto era vendido por US$ 4 mil para contrabandistas chineses e libaneses

Ansa,

10 de julho de 2009 | 08h57

O ministro das Relações Exteriores paraguaio, Héctor Lacognata, informou na quinta-feira, 9, que o cônsul do Paraguai em São Paulo, Hernando Arteta, foi afastado de seu cargo por ter expedido irregularmente cerca de 60 vistos a cidadãos chineses e libaneses.

 

Lacognata anunciou a abertura de uma apuração sobre o suposto esquema de tráfico de vistos e informou que os antecedentes deste caso foram levados à justiça comum de seu país. Segundo investigações, cada visto era vendido a US$ 4 mil dólares.

 

Uma recente investigação revelou que diversos chineses com vistos emitidos pelo Paraguai introduziam no Brasil mercadorias de contrabando adquiridas em Ciudad del Este. Lacognata disse que o consulado de Arteta despachou entre 50 e 60 vistos a chineses e libaneses e que a chancelaria investiga ainda outros diplomatas suspeitos de terem cometido atos similares.

 

De acordo com o site do jornal paraguaio ABC Color, há uma investigação sobre uma suposta rede de contatos internacionais para o tráfico de vistos. Funcionários do governo paraguaio indicaram que o tema foi descoberto quando se notificou a prisão de diversos cidadãos chineses e libaneses, em distintas partes do mundo, que tinham vistos paraguaios em seus passaportes.

Tudo o que sabemos sobre:
Paraguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.