Ivan Alvarado/Reuters
Ivan Alvarado/Reuters

Contato com o exterior ameniza efeito psicológico de soterramento no Chile

Canal é fundamental para amenizar efeitos de estresse e ansiedade causados pelo soterramento

Luiz Raatz, do estadão.com.br

28 de agosto de 2010 | 00h11

SÃO PAULO - Presos desde o dia 5 de agosto em uma mina de ouro e cobre no deserto do Atacama, no norte do Chile, 33 mineiros chilenos têm em um pequeno duto de 16 centímetros de diâmetro seu único contato com o exterior. E esse canal é fundamental para amenizar os efeitos de estresse e ansiedade causados pelo soterramento.

De acordo com o supervisor do programa de ansiedade do Instituto de Psiquiatria do HC/USP, doutor Luiz Vicente Figueira de Mello, o fato de eles estarem em um lugar fechado é um complicador, mas uma situação de isolamento seria pior.

"Quando o indivíduo se sente apoiado socialmente, diminui o nível de estresse. Como somos animais sociais, quando você fica isolado em uma gruta sem ter contato com o exterior, seu estresse é muito maior", explica.

Pelo duto, os mineiros recebem água, alimentos e notícias do mundo exterior. Até vídeos de futebol, com cenas de jogos de Pelé e Maradona, serão enviados aos mineiros, além de cartas das famílias.

"O apoio familiar, principalmente, é importante e diminui bastante o nível de estresse", acrescenta o médico. Outro fator relevante, segundo Figueira de Mello, é a consciência de que algo está sendo feito para o fim dessa situação.

O resgate pode durar até quatro meses. Após a descoberta de que os mineiros estavam vivos, as autoridades chilenas evitaram informá-los de que o resgate seria longo. Ao decorrer da semana, eles ficaram cientes de que a operação levaria pelo menos mais de um mês.

A existência de um líder também colabora para evitar crises no comportamento do grupo. O mineiro Luís Urzua é o chefe dos trabalhadores e estabeleceu funções e tarefas, além do racionamento de alimentos, que os permitiu sobreviver até entrar em contato com o mundo exterior.

"A convivência entre eles também ajuda. O grupo sempre vai ajudar, mas algumas pessoas podem atrapalhar, dependendo da reação delas aí dentro". Segundo o governo chileno, cinco dos 33 trabalhadores têm sinais de depressão. Para o médico do IPQ, sob um estresse prolongado, em caso de meses, a probabilidade de desencadear uma depressão decorrente da circunstância é muito grande.

Com o fim do soterramento, o maior risco psicológico para os mineiros é o de estresse pós-traumático. "De 8% a 10% das pessoas que sofreram esses traumas podem sofrer do problema, que só vai aparecer depois de quatro ou cinco semanas de estresse", conclui.

Tudo o que sabemos sobre:
mineirosChilesoterramento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.