Corpo encontrado no Haiti pode ser policial brasileiro

Amigo do tenente da Polícia Militar do Distrito Federal fez o reconhecimento do corpo do oficial

Ricardo Valota, da Central de Notícias,

22 de janeiro de 2010 | 01h19

A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) acredita que, até as 8 horas desta sexta-feira, 22, o Itamaraty e representantes da Organização das Nações Unidas (ONU) possam confirmar ser mesmo, do tenente Cleiton Batista Neiva, de 33 anos, o corpo encontrado na quarta-feira, 20, e reconhecido por um amigo do oficial, também policial militar, na capital haitiana Porto Príncipe. A Polícia Militar, que recebeu uma ligação do colega de Cleiton, afirma que até o momento não tem em mãos nenhuma nota oficial tanto da organização internacional como do Ministério de Relações Exteriores.

 

Segundo a PMDF, o primeiro-tenente Cleiton ingressou na corporação em abril de 1997 e, antes de partir, em 2005, para a cidade de Porto Príncipe, a fim de participar da Missão de Paz da ONU, trabalhou em diversas unidades da PMDF, entre elas o 01º BPM (Asa Sul) e no Pelotão Turístico da PM. Apesar de regressar da missão oficial em 2006, nunca perdeu o vínculo com a ONU, devido a excelência dos trabalhos prestados àquela Organização. Cleiton solicitou licença da polícia e, pelo comprometimento com a missão de ajudar o povo haitiano, retornou, em 2007, àquele país para prestar serviços pela ONU.

Tudo o que sabemos sobre:
Haititerremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.