Corpos de diplomata brasileiro e de chefe da ONU são achados

Segunda maior autoridade civil da ONU no país, Luiz Carlos da Costa estava desaparecido desde terça no Haiti

Lourival SantAnna, enviado especial de O Estado de S. Paulo,

16 de janeiro de 2010 | 20h31

Os corpos das duas maiores autoridades civis da ONU no Haiti, o tunisiano Hedi Annabi, chefe da missão de paz, e do brasileiro Luiz Carlos da Costa, segundo na hierarquia, foram encontrados neste sábado, 16, em Porto Príncipe. Eles morreram no terremoto da última terça, que deixou ao menos 40 mil mortos, 250 mil feridos e 1,5 milhão de desabrigados. 

Vítimas brasileiras:

linkEmoção marca reencontro de militares feridos

linkZilda Arns é sepultada em cerimônia com 200 pessoas

Segunda maior autoridade civil da ONU no país, Luiz Carlos da Costa estava desaparecido desde a última terça. A informação sobre o encontro do corpo foi antecipada pelo enviado especial do Estado Lourival Sant'Anna. Mais tarde, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, confirmou as mortes.

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

O corpo de Costa foi encontrado nos escombros da sede da ONU, no Hotel Christopher. Ele estava com os documentos na roupa. Seu corpo será levado para um hospital mantido pelas Forças Armadas argentinas.

Costa estava desaparecido desde a última terça-feira, 12, quando a sede da Missão para a Estabilização da ONU no Haiti (Minustah) em Porto Príncipe desabou após o terremoto de 7 graus na escala Richter que atingiu o país.

Quase 200 pessoas estavam reunidas no local no momento do desastre. Pelo menos 330 funcionários estão desaparecidos e 36 corpos já foram encontrados.

Costa foi designado representante especial adjunto na ONU no Haiti em novembro de 2006, depois de missões na reconstrução de países como Libéria e Camboja. Entre suas atribuições está a integração entre as forças civis, militares e policiais.

Ele começou a trabalhar na sede da ONU em 1969, como mensageiro. Tornou-se um dos mais importantes funcionários das Nações Unidas, onde conheceu e tornou-se amigo do alto comissário Sérgio Vieira de Mello, morto em agosto de 2003, durante atentado terrorista no Iraque.

Com informações da Associated Press

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.