Correa apóia Morales e diz que região não se tornará 'Balcãs'

Presidente equatoriano expressou seu respaldo ao Estado boliviano e criticou oposição a Evo Morales

EFE

13 de setembro de 2008 | 21h25

O presidente equatoriano, Rafael Correa, expressou hoje seu total respaldo ao chefe de Estado boliviano, Evo Morales, e disse que a América Latina não permitirá que a região se transforme nos "Balcãs".   Veja também: Entenda os protestos da oposição na Bolívia Filas se formam em frente às distribuidoras de gás   Imagens das manifestações   Chávez aproveita deterioração diplomática dos EUA Exportação de gás boliviano ao Brasil foi normalizada Lula confirma presença em reunião para discutir crise boliviana Governador de Pando será preso por descumprir estado de sítio   Em seu programa de rádio e televisão dos sábados, Correa criticou a oposição boliviana, qualificando-a de "minoria separatista e oligarca" que resiste à transformação social, política e econômica que Morales promove no país.   "Evo, não deixaremos que o passado volte. Sabemos bem como são essas elites; conta com o total respaldo dos Governos e dos povos latino-americanos que não permitirão outro Pinochet na América Latina, não permitiremos que a região se transforme nos Balcãs", ressaltou.   "Recebe o abraço solidário de todos os seus irmãos da região", indicou o presidente equatoriano em mensagem a Morales. Correa rejeitou os protestos da oposição, que ocorrem depois que o Governo boliviano venceu no último referendo nesse país, no qual Morales obteve cerca de 68% dos votos.   Além disso, o presidente equatoriano disse que esse tema foi debatido com o líder colega peruano, Alan García, durante a visita que fez na sexta-feira a Lima, onde também se reuniu com seu compatriota Freddy Ehlers, secretário-geral da Comunidade Andina (CAN).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.