Correa diz que estava próximo de libertação de reféns das Farc

O presidente equatoriano RafaelCorrea disse na segunda-feira que seu governo estava próximo defechar um acordo com as Forças Armadas Revolucionárias daColômbia (Farc) para a libertação de 12 reféns mantidos pelaguerrilha, incluindo a ex-candidata presidencial colombianaIngrid Betancourt. Correa deu as declarações numa resposta a acusações feitaspelo governo colombiano de que seu governo mantinha relaçõescom os rebeldes, em meio a uma disputa diplomática em torno daincursão colombiana em território equatoriano, na qual o líderguerrilheiro Raúl Reyes foi morto no sábado. O presidente equatoriano disse que Bogotá sabia de suastentativas de conseguir um acordo para a libertação de refénspelas Farc. O governo colombiano, no entanto, negou que tivesse sidoinformado pelo Equador sobre os contatos que o governo dessepaís mantinha com as Farc e acrescentou que Correa notificou aBogotá que não faria nenhuma gestão junto aos rebeldes sem oconhecimento e a autorização da Colômbia. Bogotá também negou as declarações do ministro da Segurançado Equador, Gustavo Larrea, que admitiu que se reuniu com Reyescom conhecimento do governo da Colômbia. "Surpreendem as declarações do ministro Gustavo Larreaquando afirma que os contatos que mantinha com as Farc eramconhecidos pelo governo colombiano. Isto não é certo", disse umcomunicado da Presidência da Colômbia. "Pelo contrário, o presidente Rafael Correa sempreassegurou ao presidente Alvaro Uribe que não adiantaria nenhumagestão com as Farc sem o conhecimento e a autorização dogoverno da Colômbia", acrescentou. (Reportagem de Luis Jaime Acosta e Alonso Soto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.