Correa diz que falta Uribe 'baixar o tom' para retomar relações

Equador e Colômbia estão com as relações diplomáticas rompidas desde 3 de março em virtude das Farc

Efe,

20 de abril de 2008 | 18h08

O presidente do Equador, Rafael Correa, declarou em entrevista publicada neste domingo, 21, pela imprensa colombiana que só falta seu colega da Colômbia, Álvaro Uribe, "baixar o tom" para que seja possível a realização de um acordo para retomar as relações diplomáticasVeja também: Há bom ambiente para relações Equador-Colômbia, diz OEAColômbia descobre base das Farc na fronteira com EquadorEntenda a crise   Correa, em declarações divulgadas pela revista colombiana "Semana", reiterou sua acusação de que na Colômbia existe uma "campanha midiática" contra seu Governo, e perguntado sobre "o que falta para chegar a um acordo com a Colômbia", Correa respondeu: "Simples, que Uribe baixe o tom". Bogotá e Quito permanecem com as relações diplomáticas rompidas desde 3 de março, dois dias após as tropas colombianas bombardearam um acampamento em território equatoriano matando 26 pessoas, entre elas o segundo no comando da guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), "Raúl Reyes".O líder equatoriano rejeitou relatórios sobre um vídeo que o relaciona com "Raúl Reyes" e afirmou que seu Governo sabe da "campanha difamatória realizada pelos meios de comunicação colombianos que, em absoluto, não são independentes". "Eu também poderia passar um vídeo de Uribe reunido com paramilitares. Mas, esta não é a forma de atuar do nosso Governo",declarou. Quando perguntado se o Equador ajudará a acabar com a guerra verbal, Correa ressaltou que seu país "sempre deu sua contribuição". "Dissemos que não responderemos mais aos comunicados do Governo colombiano, pois é perda de tempo", disse. Acrescentou que as autoridades colombianas "mentiram quando disseram que não tinham violado a soberania equatoriana e mentem agora" quando dizem que Correa "tinha ordenado às Forças Armadas que não perseguissem as Farc".

Tudo o que sabemos sobre:
FarcEquadorUribe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.