Correa felicita Colômbia por resgate de Ingrid e outros reféns

Presidente equatoriano disse, no entanto, que relações diplomáticas com o país continuam interrompidas

Efe,

05 de julho de 2008 | 22h01

O presidente equatoriano, Rafael Correa, felicitou neste sábado, 5, o governo colombiano pelo resgate de Ingrid Betancourt das mãos das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), mas assegurou que manterá interrompidas suas relações diplomáticas com Bogotá. "Ratificamos nossa postura: enquanto não tivermos um governo decente para lidar na Colômbia, não serão retomadas as relações. Esta postura é invariável, até que haja mudanças substanciais no desprezo e na falta de respeito demonstradas pela Colômbia para com o Equador", afirmou.   Veja também: Ingrid deixa hospital após sete horas de exames médicos Americanos resgatados das Farc dizem estar 'emocionados' 'Fiquei acorrentada 24 horas por dia durante 3 anos' O drama de Ingrid Por dentro das Farc  Histórico dos conflitos armados na região    Cronologia do seqüestro de Ingrid Betancourt   Para Correa, "o êxito da operação (de libertação de Betancourt) não muda a natureza do governo colombiano". O governo do Equador rompeu relações diplomáticas com a Colômbia dois dias depois da operação efetuada pelas forças militares colombianas contra um acampamento das Farc na amazônia equatoriana, na qual morreu o "número dois" da guerrilha colombiana, conhecido como "Raúl Reyes".   "Que alegria que nos deu isso (o resgate). Muito bem pela Colômbia, muito bem por Ingrid Betancourt. Mas, o que isso tem a ver com as relações entre Equador e Colômbia? Por acaso apaga o bombardeio de 1º de março?", perguntou Correa. "Pelo contrário, nos perguntamos: se puderam fazer uma operação cirúrgica, em colaboração e cooperação com os Estados Unidos e Israel, por que não fizeram o mesmo para capturar 'Raúl Reyes'? Por que nos bombardearam?", disse.   "Maravilhoso pela Colômbia, felicitações ao governo colombiano, atuou muito bem no resgate. Mas em que isso muda a situação de desprezo e falta de respeito que sempre teve para com o Equador?", insistiu Correa. "Estou muito contente por Ingrid e por sua mãe, Yolanda Pulecio, que é uma boa amiga, por sua família, seus filhos", acrescentou.   Correa indicou que o presidente francês, Nicolas Sarkozy, lhe telefonara neste sábado para agradecer pelos esforços que o Equador fez por Betancourt. "O presidente Nicolas Sarkozy me ligou para agradecer ao governo equatoriano por todos os esforços, pois a França sabe o que estávamos fazendo para libertar Ingrid Betancourt", destacou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.