Correa se reúne com delegados rebelados em hospital militar de Quito

Oficiais tomaram quartéis e fecharam aeroportos; presidente está refugiado após tentar sufocar rebelião

estadão.com.br,

30 de setembro de 2010 | 18h01

QUITO- O presidente do Equador, Rafael Correa, está reunido nesta quinta-feira, 30, com delegados de polícia rebelados por uma lei que reduzirá os benefícios da categoria, informou a agência oficial Andes.

 

Veja também:

blog Radar Global: acompanhe a crise minuto a minuto

mais imagens Galeria de fotos: veja imagens dos protestos

som Território Eldorado: Situação tranquila nas ruas, diz embaixador brasileiro

 

Segundo o meio, os policiais estão acompanhados de um advogado em um quarto do hospital da Polícia em Quito, onde o presidente está asilado após ter sido agredido por manifestantes quando se dirigiu a um quartel para tentar sufocar a rebelião.

 

Hoje, a Organização dos Estados Americanos (OEA) realizou uma reunião extraordinária na qual condenou qualquer tentativa de "alteração da institucionalidade democrática no país", após Correa ter denunciado uma tentativa de golpe contra seu governo.

 

Mais tarde,a Unasul também irá se reunir para discutir a situação no Equador, segundo anunciou o presidente da Venezuela, Hugo Chávez.

 

Centenas de policiais equatorianos ocuparam os principais quartéis do Equador. O aeroporto de Quito foi ocupado por oficiais da Força Aérea.

 

Com queima de pneus e bombas de gás lacrimogêneo, os oficiais tomaram o Regimento de Quito e destacamentos policiais em Guayaquil e outras cidades. As estradas de acesso à capital foram fechadas. Segundo a televisão local, o aeroporto da capital está fechado após militares tomarem a pista para protestar.

 

Leia mais:

linkCorrea acusa oposição de tentar derrubá-lo

linkOEA condena tentativa de alterar 'ordem democrática' no Equador

linkChávez anuncia reunião de emergência da Unasul na Argentina

linkComunidade internacional condena revolta militar no Equador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.