Marco Dormino/Associated Press
Marco Dormino/Associated Press

Crise humanitária é a pior em décadas, diz Ban rumo ao Haiti

Prioridades da ONU no país são resgate de sobreviventes, aumentar ajuda humanitária e coordenar doações

Agencia Estado e Agencia Brasil,

17 de janeiro de 2010 | 09h59

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon disse neste domingo, antes de embarcar para Porto Príncipe, que o terremoto do último dia 12 no Haiti provocou a pior crise humanitária em décadas. Ban afirmou ainda ter três prioridades na visita: salvar a maior quantidade de sobreviventes possíveis, aumentar o auxílio humanitário e coordenar as doações internacionais.

Reação internacional:

linkPara analistas, Obama tenta superar lições do Katrina

linkMéxico propõe reunião do Conselho de Segurança da ONU

linkApós encontro com Préval, Hillary promete parceria

 

Ban deve se reunir com os funcionários dos principais organismos humanitários que trabalham em solo haitiano e membros da missão de paz da ONU e do governo local. Ele anunciou neste sábado, 16 de surpresa, a viagem a funcionários haitianos da ONU.  

 

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

"Não devemos desperdiçar nem um dólar de ajuda", disse. Segundo a ONU, 40 mil pessoas estão recebendo doses diárias de alimento no Haiti e são necessários US$ 562 milhões para reconstruir o país.

 

O coordenador de ações humanitárias da ONU, John Holmes, calcula que o dinheiro ajudará a assistir 3 milhões de vítimas do terremoto. A maior parte do dinheiro será destinada ao atendimento de necessidades urgentes, como a compra de água e comida, remédios, material de higiene e para o abrigo das pessoas.

 

O secretário-geral disse ainda que viaja para expressar solidariedade e apoio às vítimas. Ao menos 40 funcionários da ONU morreram, entre eles os dois líderes civis da missão de paz, o brasileiro Luiz Carlos da Costa e o tunisiano Hedi Annabi. Outros 330 estão desaparecidos.

 

Acompanham Ban, além de Holmes, a chefe do programa de desenvolvimento da ONU (PNUD), Helen Clark, o subsecretário geral de operações de paz, Alain Leroy e a chefe do departamento de apoio às operações de paz, Susana Malcorra. 

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Ban Ki-moonONUterremotoHaiti

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.