Horacio Villasboas/Efe
Horacio Villasboas/Efe

Cristina Kirchner caminha para a reeleição, aponta pesquisa

Presidente obteria 51,9% dos votos, superando por mais de 40 pontos percentuais seu rival mais próximo

REUTERS

14 Setembro 2011 | 11h18

BUENOS AIRES - A presidente argentina, Cristina Fernández Kirchner, caminha para uma grande vitória nos comícios de outubro, segundo uma pesquisa divulgada na quarta-feira.

A governante peronista obteria 51,9% dos votos, superando por mais de 40 pontos percentuais seu rival mais próximo, segundo uma pesquisa da consultoria Management & Fit.

A vitória de Cristina é dada como certa depois de ela ter arrasado nas eleições primárias no início de agosto, vistas como um ensaio geral para as presidenciais de 24 de outubro.

Muito popular pelo robusto crescimento da economia e por um conjunto de planos sociais, Cristina prometeu fortalecer o papel intervencionista do Estado em seu segundo mandato.

O governador socialista da província de Santa Fé, Hermes Binner, aparece na pesquisa como o candidato mais bem posicionado, com 11,6%, pouco mais de um ponto percentual acima do obtido nas primárias.

Binner, uma estrela em ascensão que poderia se converter no líder da fragmentada oposição argentina, segundo analistas, colocou em segundo plano o parlamentar Ricardo Alfonsín, com 7,5%, e o ex-presidente Eduardo Duhalde, com 4,5%.

Alfonsín, candidato presidencial pela Unión Cívica Radical, e Duhalde, um líder peronista que se opõe às políticas intervencionistas de Cristina, estavam empatados no segundo lugar nas primárias de agosto, com pouco mais de 12%.

Segundo as regras eleitorais argentinas, para evitar um segundo turno um candidato precisa obter 45 por cento dos votos válidos, ou pelo menos 40% e uma vantagem de 10 pontos com relação ao seu oponente mais próximo.

A pesquisa, realizada entre 2 e 6 de setembro entre 2.031 pessoas, tem uma margem de erro de 3,1 pontos percentuais para mais ou para menos.

Mais conteúdo sobre:
ARGENTINA ELEICAO CRISTINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.