Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Cristina Kirchner conversa com Chávez sobre tensão regional

A presidente da Argentina, CristinaFernández Kirchner, visitou a Venezuela nesta quinta-feira,enquanto diplomatas sul-americanos avançam em busca de umasaída negociada para as tensões entre Quito, Bogotá e Caracas. O presidente venezuelano, Hugo Chávez, se reuniu horasantes com o presidente equatoriano, Rafael Correa, após aOrganização dos Estados Americanos (OEA) ter considerado que aColômbia violou a soberania equatoriana na incursão militar emterritório vizinho que culminou com a morte do segundo homemdas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Cristina Kirchner, que também se reuniu com Correa na noitede quarta-feira, assinará uma série de acordos de cooperaçãocom Chávez, seguindo a mesma linha de afinidade política eeconômica que era mantida durante o mandato presidencial de seumarido, Néstor Kirchner, com a Venezuela. Antes de viajar para Caracas, Cristina pediu aos governosdos três países andinos que diminuíssem a tensão. Ainda que oúnico objetivo inicial de seu encontro com Chávez seja reforçaro relacionamento bilateral, a presidente demonstrou interesseem ajudar a buscar uma solução para o conflito. A chancelaria venezuelana informou que Cristina vai seencontrar com a mãe da ex-candidata presidencial colombianaIngrid Betancourt, refém das Farc, e com a senadora PiedadCórdoba, que até novembro foi negociadora ao lado de Chávez porum acordo humanitário na Colômbia. A morte em território equatoriano do número dois das Farc,Raúl Reyes, junto com outras 22 pessoas que a Colômbiaclassificou como rebeldes, desatou uma crise diplomática entreos dois países e a Venezuela, que criticou a operaçãocolombiana, se somou à disputa. Equador e Venezuela romperam laços diplomáticos com aColômbia e reforçaram a presença militar em suas fronteiras como país. Na sexta-feira, durante a 20a reunião do Grupo do Rio, emSanto Domingo, os três presidentes poderão se encontrar pelaprimeira vez desde o ataque de sábado. (Por Patricia Rondón Espín)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.