Cristina Kirchner enfrenta eleições primárias no domingo

A Argentina realiza no domingo uma inédita eleição primária, que será um importante indicador sobre se algum candidato terá capacidade de evitar a reeleição, em outubro, da presidente Cristina Kirchner.

GUIDO NEJAMKIS E HILARY BURKE, REUTERS

11 de agosto de 2011 | 17h48

A presidente peronista lidera as pesquisas com folga, mas a oposição recentemente demonstrou força em eleições locais de regiões importantes.

As primárias foram concebidas para que os partidos definam seus candidatos, mas as agremiações já os escolheram antecipadamente. Por isso, a votação de domingo servirá como uma pré-seleção, já que os candidatos precisam ter pelo menos 1,5 por cento dos votos para oficializar suas candidaturas.

Ou seja, como participam todos os candidatos que estarão na cédula em outubro, a primária é vista como uma espécie de gigantesca pesquisa de opinião. "Vai ser quase como uma pré-eleição presidencial", disse à Reuters a analista política Graciela Romer.

"Não vemos que haja no momento uma força alternativa que hoje possa pôr em risco a reeleição de Cristina Fernández (de Kirchner)", acrescentou.

Estão inscritos quase 29 milhões de eleitores. O objetivo simbólico da presidente é obter pelo menos 40 por cento dos votos, cifra que na votação geral, pela lei argentina, eliminaria a necessidade de um segundo turno (desde que ela abra dez pontos percentuais de vantagem sobre o segundo colocado).

A oposição se mostra dividida, e sua esperança é de que o segundo lugar na votação de domingo consiga aglutinar os votos antigoverno.

O deputado Ricardo Alfonsín, da União Cívica Radical, e o ex-presidente Eduardo Duhalde, de uma facção peronista de oposição a Cristina, são considerados os principais adversários dela.

A presidente desfruta de uma alta popularidade graças ao forte crescimento econômico do país e à onda de solidariedade que recebeu depois da morte do seu marido e antecessor, Néstor Kirchner, ocorrida no ano passado.

Uma pesquisa feita em julho pela empresa Management & Fit indicou 38,5 por cento das intenções de voto para Cristina, e 15 por cento para Alfonsín.

Tudo o que sabemos sobre:
ARGENTINAELEICOESPRIMARIAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.