Cristina Kirchner será eleita presidente, segundo pesquisas

Analistas afirmam que primeira-dama argentina vencerá pleito sem a necessidade de segundo turno

Efe,

30 de setembro de 2007 | 20h04

A atual primeira-dama, senadora e candidata à presidência da Argentina, Cristina Kirchner, tem entre 39% e 47% das intenções de voto, segundo cinco pesquisas publicadas neste domingo, 30. A menos de um mês das eleições, analistas concordam que a esposa do presidente da Argentina, Néstor Kirchner, ganhará o pleito de 28 de outubro sem a necessidade de segundo turno, apesar de a oposição insistir que essa possibilidade não será concretizada. Em segundo lugar está a candidata da Coalizão Cívica, Elisa Carrió, que tem entre 11% e 14% das intenções de voto, de acordo com as cinco pesquisas divulgadas neste domingo pelos jornais La Nación e Página/12. O instituto de opinião Hugo Haime dá a maior vantagem à primeira-dama: 47,2%, seguida por Carrió com 13%. O Poliarquia, por outro lado, dá a menor diferença entre as duas, com 39,8% para a senadora e 11,7% para a candidata da Coalizão. A legislação argentina diz que o vencedor é aquele que chega aos 45%, ou aos 40% com 10 pontos percentuais de diferença sobre o segundo. Fabian Perechodnik, um dos diretores de Poliarquia, assegurou que qualquer jeito neste cenário não há segundo turno, porque de 22,7% de eleitores indecisos, "pelo menos um terço deles pode acabar votando em Cristina Kirchner, e assim ela pode chegar aos 50%". Segundo a pesquisa, 44% dos que votarão na primeira-dama o fazem "porque Kirchner fez um bom governo". No terceiro lugar das pesquisas está o ex-ministro da Economia Roberto Lavagna, com entre 7% e 13 % dos votos, enquanto em quarto lugar está o peronista dissidente Alberto Rodríguez Saá, recentemente reeleito governador da província de San Luis. Caso vença as eleições, a senadora Cristina Kirchner se transformará na primeira mulher chefe de Estado da Argentina escolhida pelo voto direto.

Tudo o que sabemos sobre:
ArgentinaCristina Kirchner

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.