Enrique Marcarian/Reuters
Enrique Marcarian/Reuters

Cristina nomeia Mercedes Del Pont para presidir o BC

Kirchner substitui Redrado por presidente do Banco da Nação e anuncia criação de 'conselho econômico'

03 de fevereiro de 2010 | 18h40

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, confirmou nesta quarta-feira, 03, a destituição do economista Martín Redrado como titular do Banco Central por se negar a usar reservas monetárias para pagar dívidas, e nomeou para o cargo a atual presidente do estatal Banco da Nação argentina, Mercedes Marcó del Pont, sua amiga pessoal, a quem elogiou sua gestão frente a entidade.

 

Veja também:

linkOposição denuncia casal Kirchner por enriquecimento ilícito

 

Em coletiva de imprensa, a mandatária anunciou que decidiu firmar a decisão "pela qual se confirma a remoção efetuada pelo decreto anterior" a renúncia de Redrado, no último dia 7 de janeiro.

 

A governante reiterou que Redrado foi removido de seu cargo por "má conduta e não cumprimento dos deveres de funcionário público".

 

 Kirchner confirmou a remoção de Redrado no mesmo dia em que uma comissão parlamentar havia fechado um conselho não vinculante a favor da destituição do economista.

 

Depois de três semanas de resistência na cadeira do BC graças a uma ordem judicial que o repôs no cargo, Redrado anunciou na última sexta-feira sua renúncia, mas o governo não a aceitou, alegando que estava em andamento um processo de consulta ao Parlamento.

 

A presidente destacou que a decisão da comissão parlamentar foi "por maioria, aconselhando a remoção do presidente do Banco Central". "Ou seja, fizemos hoje o que já havíamos feito faz um mês", disse a governante, que reconheceu que a polêmica suscitada nas últimas semanas, com suas derivações políticas e judiciais, traz um "custo para a imagem do país".

 

Kirchner também anunciou que criará um "conselho econômico" cujas funções não precisou, e que será integrado pelo titular do Banco Central e o ministro de Economia, com um "modelo similar ao que existe no Brasil e no Chile".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.