Cruz Vermelha diz que houve voos militares onde recebeu reféns

A operação teve como cenário as selvas do departamento (estado) de Caquetá, no sul da Colômbia

EFE,

07 de fevereiro de 2009 | 01h24

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) confirmou nesta sexta-feira, que aviões militares colombianos sobrevoaram a área do sul do país onde recebeu os quatro reféns que a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) libertou no domingo. Os voos aconteceram apesar do acordo que o chefe do CICV na Colômbia, Christophe Beney, e as autoridades locais tinham estabelecido para a missão humanitária, advertiu o organismo em comunicado divulgado em Bogotá. A operação teve como cenário as selvas do departamento (estado) de Caquetá, no sul do país, e foi lançada para receber três policiais e um militar reféns das Farc desde 2007. Os reféns libertados foram o soldado do Exército William Giovanny Domínguez Castro, e os policiais Walter José Lozano Guarnizo, Alexis Torres Zapata e Juan Fernando Galícia Uribe. No comunicado, o CICV observa que o acordo para a primeira operação, alcançado em 30 de janeiro último, contemplava "a suspensão geral e sem exceção de todas as atividades militares na área, incluindo os movimentos das aeronaves da Polícia". "Nessas circunstâncias se deve dar prioridade, antes de tudo, à situação das vítimas e dos participantes da missão humanitária", ressaltou o CICV, que apesar disso se declarou satisfeito com o suceso das operações.

Tudo o que sabemos sobre:
FARC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.