Cruz Vermelha encontra aeronave desaparecida no Equador

Os três homens que estava no avião morreram; aeronave de carga estava desaparecida desde a noite de sábado

Efe e Associated Press,

31 de agosto de 2008 | 14h13

A Cruz Vermelha encontrou neste domingo, 31, um avião venezuelano que estava desaparecido desde a noite de sábado. Mais de 200 membros da polícia, Forças Armadas, Cruz Vermelha e bombeiros do Equador trabalharam na busca da aeronave. Os três tripulantes que estavam a bordo foram encontrados mortos.   "Infelizmente, os três ocupantes do avião morreram", informou Diego Valencia, chefe de operações da Cruz Vermelha. Valencia disse ainda que o avião "foi localizado na zona noroeste dos (montes) Illinizas, no setor chamado Cerro Azul". Se trata de uma zona de montanhas a uns 35 quilômetros do aeroporto em que deveria aterrissar no sábado pela noite.   Valência explicou que, no momento, as patrulhas de resgate "avançam no local" e logo se determinará "a trajetória do avião e as coordenadas onde se perdeu o sinal" em seu último contato com a torre de controle.    O avião de carga, um Boeing 737-300 da companhia venezuelana Conviasa, desapareceu poucos minutos antes de sua aterrissagem no aeroporto da cidade andina de Latacinga, a capital da província de Cotopaxi, situada a uns 90 quilômetros ao sul de Quito.   O diretor da Aviação Civil (DAC), Jorge Zurita, explicou que às 20h56 (no Equador) de sábado, a tripulação do avião se comunicou pela última vez com a torre de controle do aeroporto de Latacunga, para avisar que faria uma manobra para tomar a direção da pista. Seis minutos mais tarde, a torre de controle fracassou na tentativa de comunicação com a aeronave, que também desapareceu dos radares.   O avião voava de Caracas para Latacunga, com três tripulantes a bordo: o capitão Pedro Menderi, o co-piloto Gerardo Rangel e um mecânico, cujo nome se desconhece.  

Tudo o que sabemos sobre:
aviãoEquador

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.