Manuel Hernandez/Reuters
Manuel Hernandez/Reuters

Cruz Vermelha entrega 872 toneladas de ajuda a colombianos

São mais de 2,2 milhões atingidos pelas chuvas, intensificadas pelo fenômeno La Niña

Efe

21 de dezembro de 2010 | 01h02

A Cruz Vermelha entregou 872,37 toneladas de ajuda humanitária a 56 mil famílias prejudicadas pelas chuvas na Colômbia, disseram nesta segunda-feira, 20, fontes ligadas ao organismo em Bogotá.

 

A assistência distribuída é de alimentos, artigos de higiene e cobertores, entre outros, precisou a Cruz Vermelha, que ressaltou que a ajuda foi às "pessoas que mais sofrem com os efeitos do inverno".

 

O organismo humanitário precisou que as vítimas que foram favorecidas estão localizadas em 19 dos 28 departamentos do país afetados pela onda de chuvas deste ano, que deixa 283 mortos, 267 feridos e 63 desaparecidos.

 

No entanto, as famílias beneficiadas representam menos de uma oitava parte dos mais de 2,2 milhões de atingidos pelas temporada de chuvas de 2010 de Colômbia.

 

A Direção de Gestão de Risco, do Ministério do Interior e Justiça, estimou em 441.241 o número de famílias as quais pertencem as vítimas.

 

A Cruz Vermelha advertiu que as localidades com emergências já somam 707 e estão situadas em 28 dos 32 departamentos da Colômbia, país com 1.120 municípios.

 

 

Mais de um milhão de hectares agropecuários foram inundados pelas águas, que também tem cortado estradas e destruído pontes e outras infraestruturas.

 

O governo do presidente Juan Manuel Santos calculou os prejuízos em mais de 10 bilhões de pesos (cerca de US$ 5,199 bilhões) e decidiu enfrentar a crise com os estados de exceção previstos na Constituição.

 

 

 

 

As chuvas tem se intensificado desde o último setembro pelo efeito do fenômeno La Niña (de esfriamento das águas do oceano Pacífico). A previsão das autoridades meteorológicas é que a anormalidade se estenda até os primeiros meses de 2011.

Tudo o que sabemos sobre:
Cruz VermelhaColômbiaLa Niña

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.